segunda-feira, 29 de agosto de 2011

O Velho

Estava na praia, deitado na areia, ouvindo o Mar, todo coberto de pequenos grãos. O Sol brilhava-lhe nos olhos semicerrados, talvez em busca de uma memória, ou de um pensamento. A sua pele envelhecida enrugava-se como uma cama por fazer, como se a desarrumação das suas memórias e pensamentos se desenhasse no rosto. Olhou para as suas mãos. Ficou sem saber se as deveria olhar como mãos velhas ou como mãos experientes. Teria tido alguma experiência na vida que lhes desse esse estatuto ou tê-las-ia confiado à idade e aos anos que passavam sem piedade? A dúvida assomara-lhe às ideias. Não sabia se vivera uma vida com propósito, cheia. Não sabia se já podia morrer descansado, sabendo que deixava ao Mundo uma vida completa e feliz. O que sentia é que vivera o Tempo e não a Vida. Que o “não” do medo o atrelara à carruagem do Tempo, mirando os momentos de longe e não os vivendo de perto. Tais momentos tornavam-se simples quadros belos numa casa assombrada e vazia, em vez de cenários com todas as dimensões, mesmo a emocional e sentimental, em que os únicos quadros eram aqueles que representavam a fase anterior ao mergulho no momento. Para ele, estes cenários não eram a Vida, mas sim os sonhos, pois não os conseguira puxar dos subúrbios da imaginação para a realidade em que vivia. Vivera a vida dizendo que não a tudo o que implicava riscos. Agora via que vivera a vida dizendo que não a tudo. Ponto final. Porque agora dera-se conta que tudo na vida implica riscos. Dissera que não, com medo do “sim” e das mágoas e dores que poderia trazer consigo. No fim, fora o “não” que trouxera essa mágoa e essa dor por nada na vida conhecer. Não fora em busca. Não procurara os sabores da vida e foi-se escondendo no seu canto, cada vez mais pequeno, mergulhado no sabor do desespero da procura da Felicidade em cada pedaço do seu canto. No seu inconsciente sabia que era lá fora que ela se encontrava. A Felicidade e aquilo de que ela é feita. Mas foi o medo que lhe falou mais alto, dizendo que era naquele canto que ele seria feliz, pois não iria sofrer e estaria protegido. Falava-lhe com aquela voz mesquinha e falsamente carinhosa da consciência. Era assim que se tranquilizava e se libertava do peso que carregava às costas. No entanto, no fundo, sempre soube que isso era o mesmo que enterrar um cadáver resultante de um homicídio seu na esperança de que ele desaparecesse, só porque não o via. O pavor e o medo eram os mesmos em ambas as situações. Reconfortantes por instantes, mas irrealistas.

Via-se agora velho em todos os aspectos, mas sem histórias nem experiências para partilhar com a descendência que não tinha. Sentia-se um caco do vidro que poderia ter sido. Era pequeno, turvo e difuso em vez de brilhante e transparente. São as histórias e as experiências que aumentam os homens. São os medos e os preconceitos que os diminuem também.

Não amara ninguém ou, pelo menos, tapara os olhos aos amores que piscaram na sua vida como estrelas cadentes. A ideia do Amor trazia-lhe pânico pela dor que não faltava a quem amava dos seus conhecidos. Histórias, só as tinha com as gentes outrora imaginadas nos sonhos que o entretinham à noite. Acordava, achando-os um disparate e o cúmulo da irrealidade. Hoje via tudo de modo diferente. Encarava-se no espelho de água do Mar e sentia falta das rugas e cicatrizes que marcam as histórias no corpo das pessoas como prova de que as viveram. As que tinha eram as que marcavam a solidão e a mágoa do vazio. Viveu o Nada, quando tudo estivera nas suas mãos.

Agora era tarde. Restavam-lhe poucos anos de vida e não seriam esses que lhe encheriam o Ser. Sentou-se e agarrou num pequeno pedaço de areia que foi deixando cair, grão a grão. De repente, algo lhe conquistou um sorriso de esperança. Uma ideia que antes lhe poderia parecer absurda, mas que agora fazia todo o sentido. Os grãos de areia pararam de cair. Como é que tão pequeno pedaço de areia demorara tanto tempo a abandonar-lhe a mão? O pouco tempo que lhe restava de vida poderia também tornar-se enorme se o vivesse, em vez de o passar. Nunca é tarde. Viveria agora cada momento da sua vida. Viveria até poder dizer no Fim “hoje morro feliz”. Viveria até deixar ao Mundo histórias que enchem uma vida. Um dia ouvira duas curiosas palavras latinas. No entanto, quando lhes investigou o significado, escondeu-se de novo na sombra do medo. Hoje eram essas palavras que lhe indicavam o caminho e atropelavam esse sentimento que lhe arruinara a vida.

Rebolava agora na areia, soltando gargalhadas para que todo o Mundo partilhasse da sua alegria e o visse voar pelo céu da Liberdade. Ouvia o vento sussurrar-lhe nos ouvidos, ouvia os murmúrios do Mar, ouvia os pássaros cantar, ouvia as folhas das árvores suspirar… Só agora lhes prestava atenção. Diziam aquelas duas palavras pelas quais também eles subtilmente se guiavam… Eles e toda a Natureza. Tudo o que havia a fazer, era ouvir, sem medo…

Carpe Diem!

Miguel Cruz

26Agosto2011

3 comentários:

Maria Elisa disse...

Muito bom! "keep up the good work!"

M disse...

Grande Mike, um grande texto, muitos parabéns por ele!
Realizes todos os teus sonhos e ambições que se tornem reais, pois tu mereces tudo amigo.
Estou contigo,
beijo grande,
Margarida Novais

Maggie disse...

às vezes são palavras como estas que são capazes de nos "encher" o dia, de nos fazer colher delas novas sementes de esperança para as fazermos crescer na terra revolta do nosso caminho !

Gosto muito de ti, meu irmão :)
grande abraço (meu e do keith jarret q estou a ouvi-lo agora e o bacano toca a mil)